Quarta, 16 Agosto 2017

Parlamento confirma vitória de Bashar al-Assad nas eleições na Síria

Escrito por  Publicado em Notícias do Mundo Quarta, 04 Junho 2014 18:11
Avalie este item
(0 votos)

O presidente Bashar al-Assad venceu com 88,7% dos votos as eleições presidenciais na Síria, disse o porta-voz do Parlamento, Mohammad al-Laham, nesta quarta-feira (4). Assad garantiu seu terceiro mandato, apesar de uma guerra civil violenta que cresceu a partir de protestos contra o seu governo.

O presidente do parlamento sírio, Mohammad al-Laham, declara a vitória de Bashar al-Assad nas eleições (Foto: Khaled al-Hariri/Reuters)O porta-voz do parlamento sírio, Mohammad
al-Laham, declara a vitória de Bashar al-Assad nas
eleições (Foto: Khaled al-Hariri/Reuters)

"Declaro a vitória de Bashar Hafez al-Assad como presidente da República da Síria com absoluta maioria dos votos nas eleições", disse Laham em discurso transmitido pela televisão desde o escritório do Parlamento da Síria, informa a Reuters.

A corte constitucional da Síria havia afirmado anteriormente que a participação nas eleições da última terça-feira e de uma rodada anterior com expatriados fora de 73%.

Os outros dois candidatos nas eleições, Hassan al-Nouri e Maher al-Hajjar, tiveram, respectivamente, 4,3% e 3,2% dos votos.

Autoridades sírias descreveram a prevista vitória de Assad como uma reivindicação de sua campanha de três anos contra os grupos armados que lutam para derrubá-lo do poder.

A votação foi realizada nas áreas controladas pelo governo. Segundo relato ao G1 de fotógrafo brasileiro que está em Aleppo, a segunda maior cidade do país, em região controlada por rebeldes não houve nem sinal de eleição.

Opositores de Assad classificaram as eleições como uma farsa e disseram que os outros dois candidatos não ofereceram nenhuma alternativa real e que uma eleição em meio a guerra civil não poderia ser considerada. Os Estados Unidos declararam que as eleições presidenciais na Síria são "uma vergonha".

A guerra civil no país matou 160 mil pessoas, expulsou cerca de 3 milhões de refugiados e deslocou muitos outros dentro do país.     

Conflito de mais de 3 anos
A Síria enfrenta guerra civil desde março de 2011. Segundo o Observatório Sírio para Direitos Humanos, a guerra já deixou pelo menos 162 mil mortos, entre eles 80 mil civis e 8,6 mil crianças. Assad, da minoria étnico-religiosa alauíta, enfrenta uma rebelião armada que tenta derrubá-lo do poder.

Inicialmente, a maioria sunita e a população em geral realizavam protestos reivindicando mais democracia e liberdades individuais. Com a repressão violenta das forças de segurança, o conflito se transformou em revolta armada, apoiada por militares desertores e por grupos islamitas como a Irmandade Muçulmana, do Egito, e radicais como o grupo Al-Nursa, "franquia" da rede terrorista da Al-Qaeda.

Os confrontos destruíram a infraestrutura do país e geraram uma crise humanitária regional. Em agosto de 2013, um ataque em um subúrbio de Damasco com armas químicas atribuído ao regime foi considerado o mais grave incidente com uso de armas químicas no planeta desde os anos 1980. Um “grande número” de pessoas morreu com os ataques de gás sarin, segundo relatório da ONU.

A guerra civil síria reviveu as tensões da Guerra Fria entre Ocidente e Oriente, por conta do apoio da Rússia ao regime sírio. Os EUA se limitam, oficialmente, a oferecer apoio não letal aos rebeldes e a fornecer ajuda humanitária.

Após proposto pela Rússia, a Síria colabora com a Organização para a Proibição de Armas Químicas (Opaq) para uma operação conjunta de desarmamento químico no país.

Segundo a ONU, mais de 2,7 milhões de pessoas já deixaram a Síria, principalmente em direção ao Líbano, Turquia, Jordânia e Iraque. No Brasil, refugiados chegaram com a esperança de um recomeço após perderem casa, emprego e segurança na Síria. Devido ao conflito, o Brasil passou a facilitar a obtenção do visto de turista para os cidadãos desse país. Em São Paulo, a comunidade se une para conseguir emprego e casa para recém-chegados.        

Fonte: Globo.com

 
Ler 12584 vezes
Redação TVC

Redação

Deixe um comentário

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar os autores pelo conteúdo do portal, inclusive quanto a comentários; portanto, a direção neste site reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Pessoas Online

Temos 83 visitantes e 4 membros online

contador online gratis
V
isitantes - Desde 01/09/2011