Quinta, 23 Novembro 2017

14/09/2014 - A esperança e o medo nas eleições

Escrito por  Publicado em Ponto de Vista Domingo, 14 Setembro 2014 22:53
Avalie este item
(0 votos)

A esperança e o medo nas eleições

 

“A esperança vai vencer o medo”. Esse foi o conceito utilizado na campanha do ex-presidente Lula, quando foi eleito para seu primeiro mandato em 2002. Referia-se às dúvidas lançadas pelos tucanos em trocar o certo pelo duvidoso. Agora é a vez do PT e aliados utilizarem a mesma tática para atingir Marina Silva: e estão conseguindo.

 

Após oito anos de governo do presidente Fernando Henrique Cardoso, finalmente parecia chegar a hora de Luis Inácio Lula da Silva chegar à presidência. Após três tentativas (1990, 1994 e 1998), o mais carismático líder das oposições brasileiras tinha uma chance real de ser eleito. Principalmente após um segundo mandato muito ruim de FHC, com apagões elétricos, economia beirando a recessão, baixíssimo crescimento econômico.

 

Como estratégia de se manter no poder central, o PSDB passou a levantar dúvidas quanto à capacidade de Lula e do PT em governar o país. Com eles o país passou a ter moeda estável, inflação baixa e parecia estar em um caminho seguro, apesar de, paradoxalmente, estar com a economia enfraquecida.

 

Através da grande imprensa, sempre aliada da elite econômica nacional, levantou-se dúvidas sobre a capacidade intelectual de Lula para o cargo: você vai votar em um analfabeto, comunista para tocar um país tão grande e complexo como o Brasil?

 

Através do marqueteiro Duda Mendonça o contra-ataque veio rápido: a esperança vai vencer o medo. Esperança de um país melhor, com mais justiça social, economia estável e distribuição das riquezas. Deu tudo certo: Lula foi eleito, reeleito e elegeu sua sucessora Dilma Roussef sem muitos problemas. E tudo caminhava para a reeleição de Dilma quando uma fatalidade colocou Marina Silva no seu calcanhar.

 

Com o crescimento de Marina Silva, mulher também carismática e com histórico esquerdista, Dilma passou a ter sérios problemas e já perderia as eleições em um eventual segundo turno. E o PT foi pro ataque.

 

A campanha da situação passou a levantar dúvidas quanto à capacidade de Marina Silva administrar o país: - ela é muito frágil. Passou-se a questionar suas alianças: - ela anda com banqueiros. Sua crença religiosa passou a ser ponto de ataque: - é fundamentalista. E suas oscilações tornaram-se o grande trunfo dos seus adversários: - foi só um pastor reclamar que ela já mudou o plano de governo.

 

Resultado: após ascensão meteórica começa a queda nas pesquisas. O PT, partido que sempre pregou ser um partido diferente, ético, mostra que é igual aos outros. A história se repete?

 

 

marcos

Marcos Franco Couto é filho dos colinenses Washington Couto e Maria de Jesus Couto. Formado em Jornalismo pela Ufma, foi diretor de jornalismo da TV Band em Imperatriz e Editor-chefe do jornal Correio de Imperatriz. Hoje trabalha com jornalismo e redação publicitária com ênfase em marketing político.

Ler 754 vezes Última modificação em Domingo, 14 Setembro 2014 23:25
Redação TVC

Redação

Deixe um comentário

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar os autores pelo conteúdo do portal, inclusive quanto a comentários; portanto, a direção neste site reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Pessoas Online

Temos 95 visitantes e Nenhum membro online

contador online gratis
V
isitantes - Desde 01/09/2011