Quinta, 23 Novembro 2017

26/05/2015 - Festa do Divino: uma utopia

Escrito por  Publicado em Ponto de Vista Terça, 26 Maio 2015 14:17
Avalie este item
(0 votos)

                                              Festa do Divino: uma utopia
 

A Festa do Divino Espírito Santo, periódica nos meses de maio, ainda é uma tradição viva do Brasil. No Maranhão, manifesta-se singular no sincretismo do Tambor de Mina. Na beleza e na história da povoação de Alcântara descobriu seu palco principal.
 

Parte do simbolismo presente na festa - a pomba branca, a coroa e a distribuição de esmolas - remonta a suas origens lusitanas, no século XIV. Em 1320, durante o período do culto de Pentecostes, D. Isabel de Aragão, rainha de Portugal prometera ao Divino Espírito Santo peregrinar pelo mundo com uma réplica da coroa e sobre esta uma pomba, alegoria do Divino Espírito Santo. Arrecadaria, assim, donativos em benefício dos pobres, caso o rei D. Dinis se reconciliasse com seu filho legítimo, D. Afonso, herdeiro do trono.
 

Há, porém, outra versão dessas origens, mais simpática e que não exclui a anterior. Encontrei-a no livro “O Povo Brasileiro” de Darcy Ribeiro, esse extraordinário pensador do Brasil. Essa versão situa-se numa doutrina herética criada por Infante D. Henrique, príncipe português do século XV, e consiste, em resumo, no seguinte. Segundo a crença de Dom Henrique, primeiro, teria havido um tempo do Pai, o Deus narrado no Antigo Testamento. Depois, um tempo do meio, tempo do Filho, de que fala o Novo Testamento. Então, teria chegado o tempo do Espírito Santo. O tempo de se construir o paraíso na terra, como um projeto utópico, de um mundo governado pela infância. Um tempo de inocente beleza, de solidariedade e de liberdade que caberia aos homens construí-lo.
 

O filósofo e poeta português Agostinho da Silva, estudioso das origens da festa em Portugal - da qual, aliás, sua filosofia deriva –, descreveu os pontos de representação desta utopia em três atos da Festa: primeiro, nas pequenas comunidades, escolhe-se um menino que é levado à igreja para ser coroado imperador do mundo, conforme a crença de que, no tempo do Espírito Santo, o mundo seria governado por um menino. Em seguida, é ofertado um banquete gratuito a todos da comunidade. Por último, o menino imperador vai com sua comitiva à prisão do lugar e liberta todos os presos. Simbolizavam-se, com esses três atos, as principais teses presentes na utopia do Tempo do Espírito Santo. A entronização do menino como guia do mundo simboliza uma vida de contentamento e beleza; o direito de todos à alimentação gratuita, um tempo de fartura, solidariedade e igualdade social; e a libertação dos presos, um tempo justiça e compreensão, o fim do encarceramento.
 

A pressão eclesiástica sobre o culto do Espírito Santo determinou a perda de vitalidade da festa em Portugal, já em meados do século XVI. O culto só seria revitalizado nas colônias, como de fato ocorreu no Brasil. Talvez pelo caráter libertário da festa. Cuja simbologia utópica teria seduzido as populações desterradas e violentamente conduzidas à escravidão no Brasil. Daí sua herança cultural como manifestação sincrética nas Casas de Mina, como bem as descreve o emérito professor Sérgio Ferreti.
 

Agostinho da Silva construiu suas teses filosóficas baseadas na utopia da Festa do Divino. Numa delas afirma que a primeira coisa a se notar no ritual é seu caráter laico, relativamente apartado do culto de Pentecostes. Não é simplesmente a comemoração de uma data, mas a proposta de construção de um futuro. Uma utopia que cumpre aos homens construir hoje. Um tempo de garantia de infância digna.  Para permitir às crianças cumprirem a tarefa inarredável de dirigentes do mundo no futuro. Um mundo de solidariedade e compartilhamento das riquezas produzidas. Uma humanidade capaz de desenvolver sua capacidade de entendimento, em detrimento da punição, do encarceramento e da violência como solução de conflitos.
 

 Quando você for à festa do Divino Espírito Santo, relembre o sonho futurista do Infante Dom Henrique, do qual somos herdeiros. Não aquele futurismo da base de lançamento aeroespacial, pesadelo das populações afrodescendentes. Mas, uma utopia que nos cabe cumprir: futuro pros meninos, solidariedade farta, entendimento como caminho da liberdade.

 

 

Ler 482 vezes
Redação TVC

Redação

Deixe um comentário

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar os autores pelo conteúdo do portal, inclusive quanto a comentários; portanto, a direção neste site reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Pessoas Online

Temos 65 visitantes e Nenhum membro online

contador online gratis
V
isitantes - Desde 01/09/2011