Segunda, 20 Novembro 2017

11/06/2015 - O modelo de jornalismo da Globo está em transformação

Escrito por  Publicado em Ponto de Vista Quinta, 11 Junho 2015 08:22
Avalie este item
(0 votos)

O modelo de jornalismo da Globo está em transformação
 

Foi José Bonifácio de Oliveira, o Boni, tido como o grande midas da televisão brasileira quem criou a fórmula do “horário nobre” da TV Globo. Duas novelas com um jornal no meio foi a fórmula do sucesso nos lares do país. A primeira novela das 19h às 20h, com temáticas mais leves, geralmente as chamadas novelas de época. Em seguida o Jornal Nacional, noticiário com temas nacionais e internacionais, prendia o público masculino adulto. Logo após, a novela das oito - que nunca começou no horário e agora começa depois das nove da noite -, com enredo mais complexo (crimes, traições).
 

A fórmula é repetida até hoje. Claro, com as adaptações do horário sob orientação do Ibope. E tudo indica que deve durar por muito mais tempo, até que a audiência da emissora no horário esteja seriamente comprometida. Se isso acontecer até nossa rotina diária poderá mudar. Quem nunca marcou um compromisso pra “depois do Jornal Nacional”?
 

A prova que essa mudança não está próxima são as atuais adaptações no formato dos programas. Para não mexer na fórmula de sucesso, a emissora vai tentando se manter no topo “modernizando” a programação. O grande exemplo é o que hoje acontece no Jornal Nacional, o mais conservador modelo de jornalismo ainda vigente no país.
 

O tradicional “jornalismo de bancada”, modelo americano copiado por todos, vem sendo alterado bastante em 2015. Mas as mudanças iniciaram pra valer com o surgimento da figura do âncora, com jornalistas (e não apresentadores) na bancada, com o consagrado William Bonner à frente. Antes os apresentadores clássicos, como Sergio Chapelin e Cid Moreira, narravam as notícias através da imposição da voz. Hoje não é preciso ter voz grave e bonita, mas ter capacidade de comentar as notícias.
 

Agora esse modelo de bancada também parece ir perdendo terreno. Já se pode ver os jornalistas de pé, caminhando até o telão para conversar virtualmente com os colegas repórteres ou com a garota do tempo (que agora é negra, ressalte-se). É uma mudança importante ainda que se leve em conta que nos outros dois jornais da emissora isso já acontecia. O Bom Dia Brasil e o Jornal da Globo já usam esse modelo há anos. Mas estamos tratando do Jornal Nacional, o modelo de sucesso, como já dissemos antes.
 

Toda essa mudança no formato quer deixar o noticiário menos formal, menos conservador. Outro dia houve uma conversa entre os jornalistas no estúdio e a garota do tempo, ao vivo, dentro do jornal. O assunto: William Bonner perguntava se a colega Maria Julia Coutinho gostava de ser chamada da Maju. Um bate-papo informal, descontraído, meio desinteressado num primeiro momento. Mas que deixou clara a nova tendência: Bonner disse que nas redes sociais era assim que a Maria Julia era chamada pelos seguidores e que, por conta disso, fazia a pergunta.
 

Sinal dos tempos: o Jornal Nacional começa a se pautar pelo que que está em discussão nas redes sociais?

Ler 426 vezes
Redação TVC

Redação

Deixe um comentário

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar os autores pelo conteúdo do portal, inclusive quanto a comentários; portanto, a direção neste site reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Pessoas Online

Temos 47 visitantes e Nenhum membro online

contador online gratis
V
isitantes - Desde 01/09/2011